tradutor

30 de abr de 2011

Marilyn Manson









Jesus Pessoal
Alcance e toque sua fé

Seu próprio Jesus pessoal
Alquém para ouvir suas preces
Alguém que se importa
Seu próprio Jesus pessoal
Alguém para ouvir suas preces
Alguém que está lá

Sentimento desconhecido
E você está solitário
Carne e osso
Pelo telefone
Encoraje o recebedor
Eu farei de você um crente
Pegue o melhor segubdo
Me ponha á prova
Coisas no seu peito
Que você precisa confessar
Eu irei perdoar
Você sabe que sou um clemente
Alcance e toque sua fé
Alcance e toque sua fé

Seu próprio Jesus pessoal
Alquém para ouvir suas preces
Alguém que se importa
Seu próprio Jesus pessoal
Alguém para ouvir suas preces
Alguém que está lá
Alcance e toque sua fé

Sentimento desconhecido
E você está solitário
Carne e osso
Pelo telefone
Encoraje o recebedor
Eu farei de você um crente
Eu irei perdoar
Você sabe que sou um clemente
Alcance e toque sua fé
Seu próprio Jesus pessoal
Alcance tosa a sua fé

12 de abr de 2011

Mamonas Assassinas



Mamonas Assassinas foi uma banda brasileira de rock cômico. O som era uma mistura de punk rock com influências de gêneros populares, tais como forró, sertanejo, além de heavy metal, rock progressivo, pagode e música portuguesa. A carreira da banda, com o nome de Mamonas Assassinas, durou de Julho de 1995 até 2 de março de 1996 (7 meses) e não só a morte de seus integrantes, como também o sucesso destes, foi meteórico e estrondoso. Com um único álbum de estúdio, Mamonas Assassinas, lançado em junho de 1995, o grupo acarretou a venda de mais de 3 milhões de cópias no Brasil, sendo certificado com Disco de Diamante em 1995, comprovado pela ABPD. Álbum este, que com letras bem-humoradas, como "Pelados em Santos", "Robocop Gay", "Vira-Vira", "1406" e "Mundo Animal", os levou ao sucesso estrondoso. Porém, no auge de suas carreiras, os integrantes da banda foram vítimas de um acidente aéreo fatal.

Membros
Dinho (Alexsander Alves) - vocal
Bento Hinoto (Alberto Hinoto) - guitarra, violão e vocal de apoio
Júlio Rasec (Júlio César) - teclados e vocal de apoio
Samuel Reoli (Samuel Reis de Oliveira) - baixo e vocal de apoio
Sérgio Reoli (Sérgio Reis de Oliveira) - bateria vocal de apoio




Uma Arlinda Mulher

Te encontrei
Toda remelenta e estronchada num bar,
entregue às bebida
Te cortei os cabelos do suvaco e as unhas do pé
Te chamei de querida
Te ensinei
Todos os auto-reverse da vida
E o movimento de translação que faz a Terra girar
Te falei
Que era importante competir
Mas te mato de pancada se você não ganhar!

Você foi
Agora a coisa mais importante
que já me aconteceu neste momento
Em toda a minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito
Complexo com a Teoria da Relatividade
Num momento crucial
Um sábio soube saber que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagafar os mafagafinhos
Bom amafagafigador será

Te falei
Que o pediatra é o doutor responsável pela saúde dos pé
O 'zoísta' cuida dos zóios e o oculista
Deus me livre, nunca vão mexer no meu!
Pois pra mim
Você é uma besta mitológica
com cabelo pixaim parecida com a Medusa
Eu disse isso
Pra rimar com a soma dos quadrados dos catetos
Que é igual à porra da hipotenusa

Você foi
Agora a coisa mais importante
que já me aconteceu neste momento
Até hoje em toda a minha vida
Um paradoxo do pretérito imperfeito
Complexo com a Teoria da Relatividade
Num momento crucial
Um sábio soube saber que o sabiá sabia assobiar
E quem amafagafar os mafagafinhos,
bom amafagafigador será

Eu fundei
A Associação Internacional
de Proteção às Borboletas do Afeganistão

Te provei por B mais C
Que as meninas dos teus zóio
não tem menstruação
Dar um prato de trigo pra dois tigres
E ver os bichos brigando é legal que só (miauuu...)
Pois nos 'tira e põe, deixa ficar' da vida
Serei sempre seu escravo-de-Jó

vamos para o fim!

Logo agora que você estava quase
entendendo o que eu estou falando (falando)
A canção está acabando e o Creuzebeck
está abaixando ali o volume (volume)
E você não entende nada mesmo porque quando
você estiver em sua casa nesse
momento a música vai tá baixinha (baixinha)
E você não vai entender nada mesmo
porque não sei por que eu tô falando
esse monte de besteira aqui já que estou...
Porra! Vamo parar com esse papo chato,
rapaz! (vamo lá)
Eu já não estou agüentando mais,
está doendo minha garganta
Eu tenho que fazer ali um gargarejo com vinagre,
soltei um peido aqui dentro (caralho!)
Está fedido o ambiente, meus dedos estão dormentes
Pelo amor de Deus, parem com esta porra!

4 de abr de 2011

Ultraje a Rigor



Ultraje a Rigor é uma banda brasileira de rock, criada no início dos anos 80 em São Paulo. Idealizada por Roger Rocha Moreira (voz e guitarra base), obteve sucesso em 1983 no Brasil devido aos hits "Inútil" e "Mim Quer Tocar". Em 1985 a banda ficou nacionalmente conhecida pelo álbum Nós Vamos Invadir Sua Praia que trouxe o primeiro disco de ouro e platina para o rock nacional, além de receber recentemente o título de melhor álbum brasileiro pela Revista MTV.
A banda é um grande marco no cenário do rock nacional. Sua formação inicial era Roger, Leonardo Galasso (bateria, mais conhecido como Leôspa), Sílvio (baixo) e Edgard Scandurra (guitarra solo). Mal o nome foi adotado, Sílvio saiu para dar lugar a Maurício Defendi. Hoje, apenas Roger, idealizador da banda, continua desde a formação original.


Formação atual
Roger Rocha Moreira - voz e guitarra rítmica (1980-hoje)
Rinaldo Amaral (Mingau) - Baixo e vocais (1999-hoje)
Marcos Kleine - guitarra solo (2009-hoje)
Marco Aurélio Mendes da Silva (Bacalhau) - bateria e vocais (2002-hoje)

Músicos de apoio
Manito - saxofone, percussão, flauta e clarinete (2005-hoje)
Ricardo Júnior - guitarra, violão e vocais (2004-hoje)
Paulinho Campos - pandeirola e vocais (2005-hoje)
Osvaldo Fagnani - teclados, piano e vocais (2005-hoje)

Ex-integrantes
Leonardo Galasso (Leôspa) - bateria (1980-1990)
Sílvio - baixo (1980-1981)
Edgard Scandurra - guitarra solo (1981-1983)
Maurício Defendi - baixo (1981-1989)
Carlo Bartolini (Carlinhos) - guitarra solo (1983-1987)
Andria Busic - baixo (1988-1989)
Flávio Soares Suete - bateria (1990-2002)
Osvaldo Fagnani - baixo (1989-1990) (em 2005, Oswaldo retornou ao Ultraje como tecladista e backing-vocal da banda de apoio do grupo)
Heraldo Paarmann - guitarra solo (1990-2002)
Sergio Luis Graciano Petroni (Serginho) - baixo (1990-1999)
Sérgio Henrique Figueiredo Serra (Sérgio Serra) - Guitarra (1987-1990) (2002-2009)




(vô cantar tudo de novo, ô ?!)
A gente não sabemos
Escolher presidente
A gente não sabemos
Tomar conta da gente
A gente não sabemos
Nem escovar os dente
Tem gringo pensando
Que nóis é indigente...
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
A gente faz carro
E não sabe guiar
A gente faz trilho
E não tem trem prá botar
A gente faz filho
E não consegue criar
A gente pede grana
E não consegue pagar...
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
A gente faz música
E não consegue gravar
A gente escreve livro
E não consegue publicar
A gente escreve peça
E não consegue encenar
A gente joga bola
E não consegue ganhar...
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
A gente somos "inúteu"!
"Inúteu"!
"Inúteu"!
"Inúteu"!
Inú! inú! inú...